NOSSA HISTÓRIA

INICIALMENTE, existia no local apenas um porto de embarque, que servia ao Município de Passagem Franca, na margem direita do rio Itapecuru. A construção de um armazém para estocagem atraiu os primeiros moradores.

Dotado de terras apropriadas para lavoura e criação de gado, o lugar tornou-se próspera fazenda e centro produtor de algodão e cereais, vindo a ser conhecido pelo nome de Fazenda Grande, depois pelo de Consolação e, posteriormente, pelo de Picos, em razão das colinas que circundavam a povoação.

Picos passou à Cidade em 1891, e teve seu nome mudado pare Colinas em 1943.

Gentílico: colinene

Formação Administrativa

Elevado à categoria de vila com a denominação de Picos, pela lei provincial nº 879, de 04-061870. Sede na povoaçãode Picos. Constituído do distrito sede. Instalado em 1872..

Distrito criado com a denominação de Picos, pela lei provincial nº 1388, de 28-05-1886.

Elevado à categoria de cidade com a denominação de Picos, pela lei estadual nº 76, de 10-041891.

Pela lei municipal nº 10, de 10-06-1893, são criados os distritos de Almeida e Buriti Bravo e anexados ao município de Picos.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído de 3 distritos: Picos, Almeida e Buriti Bravo.

Pelo decreto estadual nº 75, de 22-04-1931, confirmado pelo decreto nº 539, 16-12-1933, o município de Picos adquiriu o extinto município e Passagem Franca.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município aparece constituído de 3 distritos: Picos, Buriti Bavo e Passagem Franca. Não figurando o distrito de Almeida.

Pelo decreto nº 832, de 03-06-1935, desmembra do município de Picos o distrito de Passagem Franca. Elevado à categoria de município.

Pelo decreto-lei nº 919, de 30-09-1935, desmembra do município de Picos o distrito de Buriti Bravo. Elevado à categoria de município.

Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município é constituído do distrito sede.

Pelo decreto-lei estadual nº 820, de 31-12-1943, o município de Picos passou a denominar-se Colinas.

Pela lei estadual nº 269, de 31-12-1948, é criado o distrito de Pucumã e anexado ao município já denominado Colinas.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 2 distritos: Colinas e Pucumã.

Pela lei estadual nº 750, de 24-09-1952, desmembra do município de Picos o distrito de Pucumã. Elevado à categoria de município com a denominação de São Domingos do Maranhão.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

Alterações toponímicas municipal

Picos para Colinas alterado, pelo decreto-lei estadual nº 820, de 30-12-1943.

Fonte:IBGE




HINO DA CIDADE


LEI DE CRIAÇÃO

MUNICÍPIO DE COLINAS

Lei nº 269 de 31 de Dezembro de 1948.

 

LIMITES MUNICIPAIS

1 – Com o Município de PRESIDENTE DUTRA:

Começa no ponto de interseção da geodésica que parte da foz do Rio Flôres, no Rio Mearim, e vai à foz do Rio Corrente no Rio Itapecuru, com o Rio Pucumã; seguindo o Rio Pucumã para a montante até sua cabeceira; daí, o divisor de águas Mearim - Itapecuru, até encontrar a linha NS, verdadeiro, que biparte a menor distância entre as localidades Mangabas e Furrundungo, à margem da estrada de Barra do Corda à Colinas; seguinte esta geodésica para o Sul até o talvegue do Rio Alpercatas afluente do Rio Itapecuru.

2 – Com o Município de CAXIAS:

Começa na intersecção do divisor de águas Mearim Itapecuru, ponto de quadrijunção dos limites de Caxias, Codó, Colinas e Presidente Dutra, com a linha geodésica que une a foz do rio Flores no rio Mearim, a do rio Corrente, no rio Itapecuru; segue pela referida geodésica até defronte à foz do rio Corrente que aflui à margem direita do Rio Itapecuru.

3- Com o Município de BURITI BRAVO:

Começa na foz do Rio Corrente, à margem direita do Rio Itapecuru; segue pelo talvegue deste Rio à montante, até a foz do Igarapé Tomásia; segue pelo veio deste Igarapé à montante, até a barra de seu primeiro afluente maior da margem esquerda, a contar da sua cabeceira; daí segue por um alinhamento reto ao lugar do marco, à margem esquerda do Rio Balseiros, defronte a localidade Juçara.

4-Com o Município de PASSAGEM FRANCA:

Começa no lugar do marco, à margem esquerda do Rio Balseiros, defronte a localidade Juçara; segue pelo talvegue do Rio Balseiros, à montante, até a foz do Riacho Mocambo, à sua margem direita.

5 – Com o Município de PASTOS BONS:

Começa na foz do Riacho Mocambo, à margem direita do Rio Balseiro; segue pelo alinhamento reto que une a mencionada foz do Riacho Mocambo a cabeceira do Rio São Domingos, afluente do Rio Itapecuru, até defrontar o lugar denominado Sítio do Meio.

6 – Com o Município de MIRADOR:

Começa no lugar do marco, no alinhamento reto entre a foz do Riacho Mocambo, no Rio Balseiro, à cabeceira do Rio São Domingos, afluente do Rio Itapecuru, em frente ao lugar denominado Sítio do Meio; segue por um alinhamento reto à foz do Rio Alpercatas, à margem esquerda do Rio Itapecuru; segue pelo talvegue do Rio Alpercatas, à montante, até o lugar do marco a margem esquerda, no ponto inicial da linha Sul-Norte que biparte a distancia entre as localidades Furrundungo e Mangabas.

DIVISAS INTERDISTRITAIS

1 – Entre os distritos de COLINAS e PUCUMÃ (ex- povoado de São Domingos):

Começa no entroncamento do divisor Itapecuru - Pucumã, no divisor das bacias dos rios Mearim e Itapecuru; segue pelo divisor de águas Itapecuru - Pucumã, até a foz do Rio Pucumã, a margem esquerda do Rio Itapecuru.
 

 

Este texto não substitui o original publicado em imprensa oficial.



Receba nossa Newsletter. Deixe seu nome e e-mail!